Educação Cooperativista

“Pra gente chegar no nosso objetivo a gente tem que fazer junto. A gente até poderia fazer sozinho, mas chegar com os nossos amigos é bem melhor porque há troca de experiências e mais aprendizados” é o que garante a adolescente de 15 anos Leandra Vitória. A menina é presidente da Cooperativa Mirim “Guamá Primeira do Norte”. O grupo tem a missão de escrever um livro que narra os 41 anos de histórias do Espaço Cultural Nossa Biblioteca (ECNB).

Realizado em parceria com o Instituto Sicoob, o projeto de cooperativas mirins tem como base a Educação Cooperativista, tema desta edição do UFPA Ensino. Para debater o assunto convidamos a professora da UFPA Hellen Silva; o analista de desenvolvimento da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Diego Andrade; a educadora orientadora da cooperativa mirim Flor do Norte Joana Chagas, e estudante Leandra Vitória que compartilha a experiência de participar da primeira cooperativa mirim da região Norte.

Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Rural na Amazônia (GEPERUAZ), a professora Hellen Silva destaca a necessidade do modelo tradicional de educação oferecido nas escolas se adequar e acompanhar o desenvolvimento de novas tecnologias sociais, especialmente quando se fala em educação do campo. “Pensar um currículo, uma educação, nesse sentido cooperativista é pensar alguns princípios, entre eles a questão da gestão democrática, pensar a auto-organização dos sujeitos, apostar que é possível fazer o diálogo com as comunidades”

Diego Andrade faz um resgate histórico de como o cooperativismo chegou ao Brasil, destacando as origens no Estado do Pará, diretamente relacionada aos imigrantes japoneses. Para o analista da OCB, o avanço a partir das primeiras experiências no estado é perceptível e não há necessidade de ruptura com o modelo de educação tradicional. “A educação cooperativista vem para fazer um processo de comunhão. Agregar o que já existe de muito bom na educação tradicional e trazer os princípios do cooperativismo para fortalecer ainda mais essa educação que já existe. É fazer com que as pessoas possam pensar juntas e executar juntas”.

O sistema OCB promove uma série de iniciativas para difundir a educação cooperativista no Brasil.  Uma delas é a criação de cooperativas mirins. Desde 2017, as cooperativas vinculadas ao ECNB são as primeiras da região Norte. A educadora Joana Chagas orienta a cooperativa mirim Flor do Norte, composta por crianças, com o objetivo de escrever um livro de parlendas. Joana resume os benefícios da educação cooperativista. “Fazer com que os valores da escola tradicional sejam repensados para que as crianças possam aprender de forma mais leve e que possa exercitar também a cooperação que é o foco principal”, afirma a orientadora.

Para saber mais sobre Educação Cooperativista, conhecer experiências nessa área e saber sobre os ganhos que os valores do cooperativismo podem trazer para a educação ouça esta edição do UFPA Ensino.

Apresentação: Fabrício Queiroz
Produção e roteiro: Erlane Santos
Gravação e montagem: João Nilo Ferreira
Supervisão e edição: Elissandra Batista e Fabrício Queiroz
Foto: Cooperativa Mirim Flor do Norte

O UFPA Ensino vai ao ar às quartas-feiras, às 10h e 21h.
Horários alternativos: Sexta-feira, às 19h, e sábado, às 21h.

Compatilhe !

Id:4987