Protagonismo político na educação básica

Há mais de 2 mil anos, o filósofo grego Aristóteles já dizia: “toda pessoa é um animal político”. Para discutir o Protagonismo político na educação básica, esta edição do UFPA Ensino conta com a participação da mobilizadora de adolescentes do Selo UNICEF em Ananindeua, Renata Santos; da integrante do Núcleo de Cidadania dos Adolescentes do Selo UNICEF, Bianca Almeida; da coordenadora do programa Jovem Senador na SEDUC, professora Luíza Araújo; e da participante do projeto ONU JR, Isadora Bentes.

Renata Santos, mobilizadora de adolescentes do projeto do Selo UNICEF em Ananindeua, afirma que o projeto contribui para que os adolescentes participem da gestão municipal e possam dialogar entre si. “O objetivo é garantir que os adolescentes sejam ouvidos, que tenham voz no município, por meio de rodas de diálogo, conferências e debates”.

Integrante do Núcleo de Cidadania de Adolescentes (NUCA) do Selo UNICEF, em Ananindeua, Bianca Almeida compartilha sua atuação. Além do NUCA, a adolescente participa de um grêmio estudantil em sua escola. Para a menina, a participação política é “demonstrar que eu tenho voz e que ela pode ser ouvida por outras pessoas importantes e que eu senti que elas me escutaram e que vão fazer o possível para garantir os meus direitos”.

A coordenadora do programa Jovem Senador na SEDUC, professora Luíza Araújo explica que o programa existe há 11 anos e já colheu frutos. Algumas propostas de leis criadas pelos estudantes foram encaminhadas diretamente para debate no senado brasileiro. A professora apontou também outro resultado. “Muitos jovens se descobriram participando do programa. Lá eles viram que tinham todo um potencial na retórica e na escrita e realmente optaram por seguir carreira política”.

“Ampliar nossa visão de mundo, dar mais espaço pra gente debater sobre economia, educação, meio ambiente e outros temas”, é dessa forma que a estudante Isadora Bentes resume a importância de ter participado do projeto ONU JR, no Rio de Janeiro. Movida pela curiosidade e motivada por familiares, amigos e pela escola onde estuda, a adolescente integrou a corte interamericana dos direitos humanos. Lá debateu sobre a importância da demarcação dos territórios indígenas.

Em destaque no programa, o impacto dessas experiências na vida escolar e formação cidadã dos jovens. Para saber mais sobre estas iniciativas, confira o programa UFPA Ensino sobre Protagonismo Político na Educação Básica.

Apresentação, produção e roteiro: Erlane Santos
Gravação e montagem: João Nilo Ferreira
Supervisão e edição: Elissandra Batista e Fabrício Queiroz
Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado

Compatilhe !

Id:5296