Bicentenário da Independência do Brasil no Pará

Bicentenário da Independência do Brasil no Pará

“UFPA Entrevista – Bicentenário da Independência do Brasil no Pará”

UFPA Entrevista

Rádio Web UFPA

O projeto denominado Bicentenário da Independência do Brasil no Pará: história, memória e tecnologias é o destaque desta edição do UFPA Entrevista. No bate-papo entre a jornalista Elissandra Batista e o historiador Ernesto Padovani, você confere os detalhes das produções midiáticas que estão sendo desenvolvidas para contribuir com o melhor entendimento social da história do Pará e do Brasil.

Financiado por edital da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), a realização do trabalho é da editora Cabana e inclui publicações de obras históricas e dissertações contemporâneas, além de 10 Podcast’s e um documentário intitulado “Dois séculos de história: as narrativas sobre a Independência do Brasil no Pará”.

A expectativa é que todas as produções estejam disponíveis no portal do projeto na internet e, também, em outras plataformas midiáticas, até 15 de agosto de 2023, quando o processo da Independência do Brasil no Pará vai completar 200 anos. Ou seja, quase um ano depois das comemorações e reflexões realizadas, por todo o País, pelo bicentenário do dia 07 de setembro de 1822, data em que Dom Pedro I declarou que a nação não era mais colônia de Portugal.

“Essa questão da Independência do Brasil no Pará sempre foi muito recheada de uma certa polêmica. É um tema que também se diz muito que não tem sido ensinado nas escolas porque não vai cair no Enem. Por isso, é bom ressaltar que estamos nas comemorações do bicentenário da Independência do Brasil, mas o bicentenário da Independência do Brasil no Pará é só no ano que vem”, destaca Ernesto Padovani.

Assim, o professor reforça que por causa da relação econômica mais direta com a coroa portuguesa, a então Província do Grão Pará passou por um longo processo de resistência, sendo a ultima região a aderir à independência do País. Além disso, a ideia de uma historiografia tradicional, que considerava esse fato histórico como uma simples adesão, também vem sendo reformulada pela historiografia social moderna que já pensa a Independência do Brasil no Pará como uma realidade bem diferente do restante da nação.

“Inclusive muita gente também não sabe, mas na maior parte do período colonial o então Grão Pará era uma outra colônia. Ou seja, existia a colônia do Brasil e a colônia do Grão Pará. Então essa série de desconhecimentos, principalmente do grande público, faz com que esse projeto seja extremamente necessário. E necessário de uma forma que possa atingir as pessoas com facilidade”.               

Por isso, Padovani afirma que não adiantaria só propor um projeto acadêmico com palestras, por exemplo, onde as pessoas, muitas vezes, não podem estar presentes. Assim, o formato multimídia da ação tem o objetivo de divulgar o conhecimento de uma maneira mais acessível, para que a população possa se apropriar e participar dos debates entorno do tema.

E tudo isso com uma visão mais contemporânea que também considera a historiografia pelo olhar dos negros, dos indígenas, dos ribeirinhos e demais atores sociais que fizeram e compõem a história da Independência do Brasil no Pará.

Para saber mais sobre o projeto Bicentenário da Independência do Brasil no Pará: história, memória e tecnologias, não perca esta edição do UFPA Entrevista.

Apresentação e roteiro: Elissandra Batista

Produção: Lívia Leoni e Giovanna Martini

Gravação e montagem: João Nilo e Denize Ramos

Supervisão e edição: Elissandra Batista

Imagem: reprodução Google

O programa UFPA Entrevista vai ao ar toda segunda-feira, às 11h, com reprise às quartas-feiras, às 20h.

 

Compatilhe !

Id:11977