Seminário Infâncias e Pedagogias Decoloniais nas Amazônias

“Seminário Infâncias e Pedagogias Decoloniais”

UFPA Ensino

Rádio Web UFPA

O Seminário Infâncias e Pedagogias Decoloniais nas Amazônias é o destaque nesta edição no UFPA Ensino. No programa, a jornalista Elissandra Batista conversa com o professor Waldir Abreu e com a doutoranda Eliana Ribeiro, do Instituto de Ciências da Educação da UFPA. Em pauta, as práticas e experiências educativas de decolonialidade, resistência e luta em defesa da educação no contexto amazônico. 

Os assuntos também vão estar em debate durante o Seminário Infâncias e Pedagogias Decoloniais nas Amazônias, que será realizado nos dias 10 e 11 de outubro, no Instituto de Ciências da Educação, no campus da UFPA em Belém. Em formato hibrido, o evento poderá ser acompanhado de forma presencial e online. Para se inscrever acesse: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScnLGaCnvPWQzNkby6Hgs0xsIs1M93ex8aTKQD7osyA2vvzjw/viewform?usp=sf_link

O Seminário Infâncias e Pedagogias Decoloniais nas Amazônias é uma iniciativa é do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Infância e Filosofia – GEPEIF, que há 23 anos estuda diversidade, direitos humanos, movimentos sociais, currículo e formação de professores. E entre as ações, está o seminário que antecede o “Dia das Crianças”, e que este ano vai abordar a pluralidade das infâncias amazônicas, destacando as vivencias, experiências, saberes e modos de ser e estar no território amazônico.

“Não existe um único significado de infância, a gente usa hoje muito mais infâncias no plural porque a vida de uma criança ribeirinha é diferente de uma criança quilombola, de uma criança que mora na cidade, de uma criança que mora na rua. Então, são vivencias e experiências a partir do território que elas habitam”, ressalta o professor Waldir Abreu.

Nesse sentido, a pedagogia decolonial atua na resistência e insurgência de histórias silenciadas e apagadas pela coloniadade eurocêntrica, a fim de romper o racismo estrutural e construir uma educação anti-racista nas escolas brasileiras. “Como professora de História, eu tenho que buscar e dialogar com os meus alunos em sala de aula, trazendo os modos de viver, do indígena, afro-brasileiro, africano, mostrando para eles e fazendo com que eles percebam e valorizem essas vivencias outras no mundo”, destaca a doutoranda Eliana Ribeiro.    

Assim, a programação do Seminário Infâncias e Pedagogias Decoloniais nas Amazônias inclui atividades voltadas para o protagonismo das crianças amazônicas, com a participação de escolas públicas da cidade de Belém e Ananindeua. “A gente traz crianças de escolas públicas para conhecer o ambiente da Universidade Federal do Pará para que no futuro elas pensem nesse ambiente universitário”, informa o professor Waldir.

Além disso, de acordo com Waldir Abreu, uma das mesas de debate será formada só por crianças falando sobre ser criança, ter infância e viver as infâncias nas Amazônias. “Serão quatro crianças, uma quilombola do Moju, uma ribeirinha de Abaetetuba, outra do movimento de EMAUS e uma criança que vem do MST, justamente para a gente conhecer um pouco da realidade dessas diversas infâncias”.    

Para saber todos os detalhes sobre o Seminário Infâncias e Pedagogias Decoloniais nas Amazônias, além dos objetivos, desafios e demandas do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Infância e Filosofia, não perca esta edição do UFPA Ensino.

Compartilhe !

Id:14173