Exposição Diversidades Amazônicas

Exposição Diversidades Amazônicas

“UFPA Entrevista – Exposição Diversidades Amazônicas “

Rádio Web UFPA

A exposição Diversidades Amazônicas é o destaque desta edição do UFPA Entrevista. No programa, a jornalista Elissandra Batista conversa com Maria Emília Sales, coordenadora de comunicação e extensão do Museu Paraense Emílio Goeldi, que destaca todo o processo de montagem e a importância da produção para divulgação científica regional.

Aberta ao público desde setembro de 2022, Diversidades Amazônicas é uma amostra da história cultural e natural da floresta. Com diversos ambientes para a interação dos visitantes, a exposição reúne as áreas da paleontologia, zoologia, arqueologia, botânica, ciências da terra, antropologia e línguas indígenas.

“Todas as áreas estão representadas com estudos do passado que remetem aos 156 anos de atuação de pesquisa na Amazônia do Museu Emílio Goeldi, até os novos estudos que estão sendo desenvolvidos em todos os campos da pesquisa, na instituição”, ressalta Maria Emília Sales.

Dividida em cinco módulos denominados: Origens, Espécies, Ambientes, Culturas e Futuros, a exposição é uma forma bem mais acessível de exibir os trabalhos científicos realizados pelos pesquisadores do Emílio Goeldi, para que, assim, o público compreenda, de maneira prática, a importância da ciência realizada pelo Museu, muito além do já conhecido cenário do parque zoobotânico.

“A exposição começa falando da origem e do passado da terra, dos fósseis e das espécies com animais taxidermizados, espécimes das coleções e alguns jogos também. Dali a gente sai para ambientes e temos uma sala imersiva com os sons da Amazônia. Depois, a gente passa para as culturas amazônicas e encerra com uma reflexão sobre o futuro, o que a gente espera da Amazônia”, comenta Maria Emília.

Sobre o feedback de quem já viu de perto Diversidades Amazônicas, a coordenadora de comunicação do Museu relata que o público “têm mostrado que é uma exposição que você visita em família. Então, são os pais mostrando para os filhos, e os filhos ensinando aos pais como mexer nas novas tecnologias. É muito bacana essa interação das famílias. As escolas e os professores têm dado, também, uma resposta bastante positiva. A gente espera que muitas aulas sejam dadas na exposição”.

Diversidades Amazônicas pode ser contemplada no Centro de Exposições Eduardo Galvão, inaugurado após 20 anos de espera, no parque zoobotânico. O nome do Centro é uma homenagem ao antropólogo Eduardo Galvão, que, na década de 1960, consolidou as pesquisas na área da antropologia indígena no Museu Emílio Goeldi.

Localizado na avenida Magalhães Barata, no bairro de São Brás, em Belém, o Emílio Goeldi funciona de quarta-feira a domingo, das 9h às 16h. Os ingressos custam R$3,00, com meia entrada para estudantes e gratuidades para públicos específicos.

Para ficar por dentro de todos os detalhes da exposição Diversidades Amazônicas, e, ainda, ficar por dentro dos processos que envolvem a importância da divulgação científica para a sociedade em geral, não perca esta edição do UFPA Entrevista.

Apresentação e roteiro: Elissandra Batista

Produção: Giovanna Martini e Lívia Leoni

Gravação e montagem: João Nilo e Denize Ramos

Supervisão e edição: Elissandra Batista

Imagem: Acervo Museu Goeldi

Compatilhe !

Id:11980